Time da Raça: Próspera está na decisão da Série C Estadual

Equipe criciumense faz valer o apelido, vence na raça a prorrogação, e avança para a final da Terceira Divisão do Catarinense. Matheusinho marca o gol que dá a vaga


- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Caçador

- PUBLICIDADE -

Fotos: Jota Eder/Rádio Eldorado

Segue vivo o sonho do Próspera em chegar à Série B do Campeonato Catarinense logo no primeiro ano de retorno ao futebol profissional. Na tarde deste sábado, o Time da Raça levou um gol no tempo normal e perdeu o jogo por 1 a 0. Na prorrogação, o time criciumense venceu por 1 a 0, reverteu a vantagem do time do Meio Oeste, e continua na competição. O gol do tempo normal foi marcado logo aos dois minutos de jogo pelo zagueiro Jeferson, de cabeça. Entretanto, Matheusinho, aos 12 minutos do primeiro tempo da prorrogação, marcou o gol que garantiu a vaga na final para os criciumenses.

O time treinado por Paulo Baier começou o jogo desatento e sofreu o gol logo aos dois minutos. Após cobrança de falta, Jeferson subiu de cabeça e marcou 1 a 0. Com um time ofensivo, o Próspera foi para o ataque e tentou igualar. Matheusinho, Maicon Santana e Eduardo faziam a linha de ataque.

Ainda no primeiro tempo, Maicon Santana marcou o gol de empate, mas o árbitro Leandro Messina Perrone marcou impedimento. Nos minutos finais da primeira etapa, aos 43 minutos, Cariri chutou de fora da área, Jonatas falhou e Ildemar marcou o segundo gol da Caçadorense, entretanto, o juiz também assinou irregularidade. O goleiro do Próspera errou de forma bisonha, mas o atacante do time do Meio Oeste estava em posição inválida. “O time entrou desligado. Melhoramos no decorrer do primeiro tempo. Agora, esperamos que o time volte melhor para conseguir o empate”, comentou o gerente de futebol, Célio Silva, no intervalo.

Na etapa final, a Caçadorense seguiu buscando o ataque, enquanto o Próspera tentava o gol de empate e melhorou em campo. Matheusinho criava boas chances pelos lados. Logo em seguida, o time da casa se ajeitou em campo. No contra-ataque, o Time da Raça ameaçou: aos 30 minutos, o zagueiro João Neto cabeceou com perfeição, mas o goleiro Rodolfo pegou. Aos 35 minutos, Barbosa finalizou bem e acertou a trave do goleiro Jonatas, quase o segundo gol do time de Caçador. Nos acréscimos, Cleiton ainda teve a chance de aumentar para o time da casa, mas ele desperdiçou o gol. O Próspera quase empatou aos 47 minutos: Juninho Lopes cobrou falta com perfeição, mas a bola beliscou a trave e saiu pela linha de fundo. O goleiro Rodolfo apenas torceu para que a bola saísse. Assim, com a vitória da Caçadorense por 1 a 0, a partida seguiu à prorrogação.

Muita emoção na prorrogação

Os 826 torcedores presentes tiveram momentos de muita emoção nos 30 minutos decisivos. O Próspera buscava o gol que daria a vaga, enquanto a Caçadorense tentava fazer o tempo passar, devido à vantagem do empate. Aos 12 minutos da prorrogação, Erinaldo Junior fez boa jogada pelo meio e tocou para Matheusinho na esquerda. O atacante formado na base do Criciúma entrou na diagonal e marcou o gol de vitória no tempo extra: 1 a 1.

Na etapa final da prorrogação, o Time da Raça teve boas chances com o mesmo Matheusinho, o destaque do jogo, e garantiu o resultado. Assim, o Próspera ficou com a vaga na decisão da Série C do Catarinense. O adversário será definido neste domingo entre Itajaí e Carlos Renaux, de Brusque. Apenas o campeão sobe para a Série B de Santa Catarina em 2019.

Fatos lamentáveis antes do jogo

A delegação do Próspera viajou para Caçador na madrugada de quinta para sexta-feira. Na noite anterior à partida, baterias de fogos de artifício foram estouradas em frente ao hotel onde estavam hospedados os atletas do Time da Raça, prejudicando o descanso dos jogadores criciumenses.

No dia do jogo, em uma tarde de forte sol e calor, a diretoria da Caçadorense derramou creolina em todo o vestiário reservado para o Próspera, sendo assim, foi impossível para os atletas aquecerem no vestiário, assim como a palestra de Paulo Baier teve que ser realizada em campo. No intervalo, os atletas do Time da Raça permaneceram no gramado, em uma pequena sombra, devido ao forte cheiro que estava impregnado no vestiário.

A ação do time do Meio Oeste seria uma represália em função de uma confusão que aconteceu entre integrantes da comissão técnica da Caçadorense e torcedores do Próspera, no final do jogo de ida, no estádio Mário Balsini.

A diretoria do Próspera entrou com uma representação na Federação Catarinense de Futebol (FCF) contra o clube do Meio Oeste e espera uma punição ao clube de Caçador. Fatos lamentáveis registrados no futebol profissional de Santa Catarina.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.