Tigre: Danielzinho mais longe do clube

Meia deve permanecer no clube carioca, com a provável chegada do técnico Fernando Diniz


- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Ainda sem anunciar novos reforços para a temporada de 2019, o Criciúma ficou mais longe de contar com o meia Danielzinho, que pertence ao Fluminense e jogou a maior parte deste ano no Oeste. Com a provável chegada de Fernando Diniz ao comando técnico do time carioca, o jogador ganha mais chance de ser aproveitado entre os titulares. Danielzinho foi titular de Diniz no Oeste em 2016. “Ainda não foi nada definido, até por conta da questão do treinador. Eu ficarei bastante feliz (com a escolha de Diniz). Foi um treinador que me fez evoluir bastante. É um cara com quem gostei muito de trabalhar”, comentou o meia ao globoesporte.com.

Com pouca concorrência no meio campo dos cariocas, o jogador se anima em ficar nas Laranjeiras em 2019 e frustra o desejo do Tigre. “Estou preparado e motivado se essa oportunidade pintar para mim. Na minha base toda eu sempre fui camisa 10. E nunca imaginei diferente no profissional. Sempre imaginei ser o camisa 10 do profissional, dando passe, fazendo gol, conquistando títulos, dando alegria para torcida. Sempre sonhei desde pequeno, sou tricolor”, ressaltou Danielzinho.

Ele reforçou o desejo de ficar no Rio de Janeiro, mesmo com as propostas do Criciúma e do Vitória-BA ao empresário do jogador. “Ele (empresário) conversou comigo que alguns times entraram em contato. Ele ia conversar com o Fluminense, definir essa situação, esperar o treinador. Fico feliz pelo contato desses times, são times de massa, de tradição. Mas a minha vontade é continuar no Fluminense. Tenho que esperar ver o que o Fluminense quer para mim para poder definir o futuro”, finalizou.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.