Criciúma: Projeto de histórias infantis encanta crianças de CEI

Atividades de contação de história fazem parte de uma iniciativa desenvolvida no CEI Afasc Pequeno Polegar

Foto: Divulgação/Alisson Bombana

- PUBLICIDADE -

Criciúma

Os livros de histórias infantis fazem parte da vida de muitas crianças desde pequenos, contados por seus familiares e pessoas próximas. Para acrescentar novas aprendizagens através da literatura infantil, as educadoras do Grupo 4 do Centro de Educação Infantil (CEI) da Associação Feminina de Assistência Social de Criciúma (Afasc) Pequeno Polegar, Andreia Rocha, Rita de Cássia de Oliveira e Kimberly da Conceição, estão desenvolvendo o projeto “Era uma vez: A leitura no mundo da imaginação”.

- PUBLICIDADE -

As atividades reúnem histórias da literatura clássica onde as personagens ganham um novo jeito de ser, despertando questionamentos e uma nova forma de olhar para as leituras infantis. Para encerrar o trabalho com a história “Patinho Feio”, onde as profissionais trabalharam as diferenças, as crianças viram de perto uma pata e os patinhos.

De acordo com Andreia, no dia a dia, muitas vezes, as crianças possuem pouco tempo para que ouçam histórias, onde possam mergulhar no mundo da imaginação e da criatividade. “Depois de trabalharmos muito as diferenças através da história do ‘Patinho Feio’, no qual mostramos as características da pata e da cisne, as crianças receberam a visita de uma pata com dois patinhos, o que deixou os alunos eufóricos. A surpresa maior veio na nossa volta do lanche; ao chegarmos na sala, a pata tinha colocado um ovo, o que deixou eles ainda mais alegres. Esse foi um diferencial maravilhoso, adequado ao nosso trabalho de sala de aula”, ressalta.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.