- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Belo Horizonte

- PUBLICIDADE -

Um jogo de uma equipe só. Esse é o resumo do empate sem gols entre o Tigre e o América-MG, ontem à noite, em Belo Horizonte. O time da casa buscou o resultado, atacou o tempo todo, mas não conseguiu superar a marcação do Criciúma – que pouco criou e limitou-se a defender durante todo o jogo. O esquema com mais jogadores no meio deixou a defesa carvoeira mais segura, porém, o time perdeu em ofensividade. Com o ponto ganho, o time atinge o objetivo traçado pelo técnico Luiz Carlos Winck: se não vencer, pelo menos empate.

Antes do primeiro minuto, Bill ficou frente à frente com Luiz, após bom lançamento de Matheusinho, e desviou do goleiro do Tigre, mas a bola saiu. O atacante do América estava impedido. Aos 5 minutos, Bill cruzou e Luan, na marca do pênalti, chutou, mas foi travado por Nino. Na sequência da jogada, Matheusinho chutou forte, da intermediária, para grande defesa de Luiz. Pressão do time mineiro no início da partida, inclusive, com marcação adiantada. O Tigre conseguiu equilibrar um pouco a partida perto dos 15 minutos de jogo. Aos 17 minutos, Renan Oliveira descobriu Luan, pela esquerda, mas Douglas Dodi cobriu bem o lado de defesa do Criciúma e evitou o gol do adversário.

A primeira chegada do Tigre, com mais força, aconteceu aos 20 minutos. Lucão recebeu a bola na área, mas finalizou mal, por cima da trave. O Coelho seguia superior na partida, mas o Criciúma resistia à pressão do time da casa. Em 30 minutos, o Criciúma não acertou o gol de João Ricardo. Aos 35 minutos, Renan Oliveira cobrou falta da direita e Messias cabeceou pra fora. A pressão do América seguia. Competente na marcação, postado todo atrás da linha da bola, quando era atacado, o Tigre carecia de maior ofensividade. Aos 42 minutos, João Henrique chutou fraco da entrada da grande área para fácil defesa de João Ricardo. Aos 44 minutos, Luiz fez uma grande defesa em chute de Renan Oliveira, mas o jogador do América já estava impedido. “Temos que mudar, pecamos muito no passe, isso prejudicou nossa criação de jogadas. Estamos fechados lá atrás, agora temos que tocar mais a bola no campo do adversário para tentar chegar ao gol”, disse o volante Ricardinho, no intervalo.

Na etapa final, aos 3 minutos, Lucão fez jogada pela esquerda, inverteu para Diogo Mateus que chutou, mas sem força, para a defesa de João Ricardo. Aos 5 minutos, Lucão pressionou o goleiro adversário, que errou a saída de bola, mas levou sorte pois a bola bateu no atacante do Tigre e voltou nas mãos dele. Aos 15 minutos, Bill recebeu a bola pela direita, chutou cruzado e Luiz defendeu, impedindo que chegasse na área. Aos 25 minutos, Juninho apareceu pela direita e cruzou para Hugo Cabral, atacante que passou pelo Criciúma, em 2015, cabeceou para fora.

Aos 31 minutos, Barreto fez falta perigosa na entrada da área. Luan cobrou e a bola tocou na barreira antes de sair. O América aumentou o ritmo e a pressão nos últimos 15 minutos de jogo com Bill, Hugo Cabral e Ruy, principalmente, entretanto, o Criciúma permaneceu firme na defesa e garantiu o empate sem gols em Minas Gerais.

Campeonato Brasileiro – Série B – 22ª Rodada

22/08 (terça-feira) – 21h30min – estádio Independência, em Belo Horizonte

AMÉRICA-MG

João Ricardo; Ceará (Ruy), Messias, Rafael Lima e Giovanni; Juninho, Ernandes, Renan Oliveira (Hugo Cabral) e Matheusinho (Neto Moura); Luan e Bill. Técnico: Enderson Moreira

CRICIÚMA

Luiz; Diogo Mateus, Nino, Edson Borges e Diego Giaretta; Jonatan Lima, Ricardinho (Barreto), Douglas Dodi e João Henrique (Alex Maranhão); Silvinho e Lucão (Caíque Valdivia). Técnico: Luiz Carlos Winck

Arbitragem: Marcelo De Lima Henrique. Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés e Wendel de Paiva Gouveia (Trio do RJ)

GOLS: Não Houve

Cartões Amarelos: Messias (A); Diogo Mateus, Luiz, Lucão e Barreto (C)

Cartões Vermelhos: Não Houve

Público: 2.864

Renda: R$ 12.668,00

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.