(Atualizada) Reunião debate futuro do Aeroporto Diomício Freitas


- PUBLICIDADE -

Atualizada às 11h25min

Angelica Brunatto
Criciúma

- PUBLICIDADE -

Através de uma comissão, lideranças da Região Carbonífera estarão empenhadas na manutenção do Aeroporto Diomício Freitas, em Forquilhinha. A intenção é não deixar o aeródromo ser fechado após a saída da Azul, que em Novembro passará a operar no Aeroporto Regional Sul Humberto Ghizzo Bortoluzzi, em Jaguaruna. Na próxima semana, uma reunião com o secretário de Estado de Infraestrutura, João Carlos Ecker, será marcada para que as primeiras decisões sejam tomadas.

Uma das possibilidades é fazer com que o aeroporto opere apenas com a aviação geral, recebendo voos executivos. “A tendência é que os dois aeroportos não sobrevivam com voos comerciais, e é o que estamos vendo agora. Temos um aeroporto que tem condições de se tornar um dos maiores do Brasil, em termos de pista e de transporte de carga. A situação que vamos vivenciar é natural da evolução”, expõe o diretor de transportes da Secretaria de Estado de Infraestrutura José Carlos Müller.

O administrador da Cruzeiro Aviation, Kleber Luiz Fernandes, que atua no Aeroporto Diomício Freitas, trabalha na manutenção dos voos comerciais em Forquilhinha. No próximo dia 26, ele irá a Ribeirão Preto, em São Paulo, para uma reunião com a companhia aérea Passaredo. As conversas ainda estão em fase inicial, mas a expectativa é grande para que ela ocupe o lugar deixado pela Azul. Conforme Fernandes, as aeronaves pousam em Guarulhos e a empresa trabalha de maneira code-share com a TAM. “Seria possível comprar um bilhete pela TAM saindo de Criciúma e indo para qualquer parte do mundo, sendo o primeiro trecho operado pela Passaredo”, explica.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.