“O ano de 2016 já é histórico”, diz Geovania de Sá

Deputada federal lembra o impeachment, afastamento e prisão do presidente da Câmara e quase afastamento do presidente do Senado

Deputada federal acredita na recuperação econômica do País em 2017. (Foto: Marciano Bortolin/DN)

- PUBLICIDADE -

Bruna Borges

Criciúma

- PUBLICIDADE -

No primeiro mandato como deputada federal, Geovania de Sá (PSDB) já passou por momentos históricos na política do País. Conforme a deputada, 2016 foi um ano totalmente diferente. “Tivemos o impeachment da presidente da República Dilma Rousseff (PT); o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), seguido de prisão; e o quase afastamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O ano de 2016 já é histórico. Foi bastante conturbado, com matérias difíceis, para os ajustes que o Brasil precisa”, enfatiza Geovania.

A votação mais difícil, na opinião da deputada, foi cassação de um colega parlamentar, Eduardo Cunha. “Tivemos que ser muito racionais”, lembra.

A votação do Teto dos Gastos, a PEC 241, também foi bastante difícil, segundo a deputada. “Foi muito trabalho até se chegar a um entendimento. Agora, acabamos de votar a reforma do Ensino Médio, à qual fui contra. Assim como fui contra na votação do projeto que permite terceirização da atividade-fim de empresa. Mas, quando temos princípios, conseguimos fundamentar”, expõe.

Apoio à Lava Jato

Outra votação conturbada foi a relativa às ‘10 Medidas Contra a Corrupção’. “No destaque para o abuso de autoridade votei contra, pois não era o momento de isto vir à discussão. A votação foi numa madrugada, o que revoltou a população. Temos que trabalhar para fortalecer a Operação Lava Jato. A população não aguenta mais a corrupção, porque é do bolso das pessoas que sai e afeta a Economia”, ressalta Geovania, dizendo que o esforço, agora, será para reestabelecer a Economia do País. “Isto depende de ajustes”, frisa.

Para a deputada, 2017 será também um ano de matérias bastante polêmicas no Congresso, devido às reformas Previdenciária, Trabalhista, Tributária e Eleitoral.

Momento de mudança

Geovania acredita que a aprovação do Teto dos Gastos já foi um pontapé para o País sair do abismo, com reação positiva dos investidores. “A população quer que a mudança continue. Em princípio, será doloroso para todos. Destaco que a minha bandeira sempre será a defesa do trabalhador”, comenta.

Saúde na pauta

Verbas para manutenção dos serviços de Saúde nos municípios foi o principal pedido dos prefeitos durante o ano para emenda parlamentar. Só para a área Geovania destinou R$ 7,6 milhões em 2016 e, para 2017, o mesmo valor está programado. “Os prefeitos estão desesperados atrás de emendas. Só para Criciúma destinei R$ 300 mil para o Hospital São José (HSJ) e R$ 1,8 milhão para o Hospital Materno-Infantil Santa Catarina (HMISC). Porém, os prefeitos não podem mais ficar só dependendo de emendas para manter o custeio da Saúde, precisamos trabalhar para que melhorem os recursos dos municípios”, observa.

Nos primeiros dois anos de mandato, Geovania destinou R$ 25,3 milhões em emendas parlamentares, sendo 50% para Saúde.

Hospital Santa Catarina

Desde que foi secretária de Saúde de Criciúma, Geovania tem trabalhado para o efetivo funcionamento da ala materno-infantil do Hospital Santa Catarina (HMISC). O R$ 1,8 milhão de emenda parlamentar que destinou à instituição deverá chegar para Criciúma entre janeiro e fevereiro e servirá para a compra de equipamentos para UTI, urgência e emergência. Entretanto, de acordo com a deputada, a principal dificuldade não é terminar a obra, mas sim o custeio da manutenção. “São necessários R$ 8 milhões para terminar a obra, mas será preciso de R$ 3 milhões a R$ 4 milhões por mês para a ala funcionar. Criciúma não pode bancar isso sozinha. O prefeito precisa ir atrás de ajuda do Governo do Estado, que também deve ser responsável”, considera.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.