Indústrias precisam se adaptar à nova exigência fiscal, o Bloco K

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Criciúma

As empresas que faturam mais de R$ 300 milhões por ano são obrigadas, a partir de janeiro de 2017, a incluir no  Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) o Livro de Registro de Controle da Produção e do Estoque denominado Bloco K. Este livro eletrônico terá informações do saldo dos estoques de insumos e produtos, além das informações sobre as respectivas movimentações desses estoques mediante envio das fichas técnicas (fórmulas) associadas a cada etapa do processo.

- PUBLICIDADE -

Essas informações podem, por exemplo, subsidiar fiscalizações que visem averiguar a formação de créditos de tributos sobre aquisições de insumos, identificar aquisição/venda de mercadorias sem emissão de documento fiscal, identificar e controlar estoques do informante em poder de terceiros, medir as perdas e quebras em cada etapa do processo produtivo. O controle dos insumos, estoque e produção será cruzado com as informações fornecidas pelas Notas Fiscais Eletrônicas para identificar se há ou não omissão de receitas.
A obrigatoriedade da entrega Bloco K exige também que as empresas desenvolvedoras de sistemas adequem seus produtos às necessidades dos clientes.  “Há muitas dúvidas sobre os impactos que as informações não exatas ou omitidas possam causar à saúde das empresas”, afirma o diretor da Agrosys, Jaison de Brida.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.